Categoria: Empreendedorismo no Brasil

O empreendedorismo no Brasil é um assunto muito discutido, afinal cerca de 70% dos brasileiros sonham em ter seu próprio negócio um dia. Todavia, é preciso conhecer o real sentido dessa palavra, bem como as variáveis do macroambiente e ambiente-tarefa.

Infelizmente, muitas pessoas dão início ao próprio negócio sem nenhuma perspectiva do mercado. Para alguns, isso demonstra diligência, mas não é verdade. É preciso conhecer o cenário em que vai empreender, pois assim é possível economizar tempo e dinheiro.

O ambiente externo é muito abrangente. Por isso, convém dividi-lo em dois principais blocos: o macroambiente e o ambiente-tarefa.

O primeiro se refere ao ambiente geral, que engloba aspectos abstratos como economia, política, tendências de mercado e tecnologia. O segundo se refere a aspectos mais próximos, como: clientes, concorrentes e fornecedores de uma empresa.

No macroambiente, uma importante tendência a ser considerada é a indústria 4.0 ou, como muitos preferem chamar, a quarta revolução industrial. Nunca tantas tecnologias contribuíram para a gestão de negócios. Hoje, é possível automatizar muitos processos empresariais.

Outro aspecto muito importante é a economia, que será tratada em outro tópico. O período de recessão abriu oportunidades para empresas antes impensadas, como negócios colaborativos.

Já no ambiente-tarefa, também chamado de microambiente, é importante destacar a crescente informatização dos consumidores brasileiros. Veja que 9 em cada 10 pessoas têm celular, o que facilita o acesso às informações e molda significativamente a jornada de compra.

Dificuldades a serem vencidas no Brasil

Se já é possível ver um fim para a crise, ainda está muito distante de dizer o mesmo para a burocracia. O país é considerado um dos mais burocráticos. Apenas para abrir um negócio dura mais de 100 dias, enquanto em países mais desenvolvidos a média não passa de 5 dias.

De acordo com relatório do Banco Mundial, que considerou 190 países, o Brasil está na 125ª posição. Isso é reflexo de um elevado número de licenças e procedimentos que precisam ser obedecidos, bem como de custos com alvarás e liberações específicas.

Ainda é importante destacar a escassez de talentos, presente especialmente nas áreas técnicas. Dos 118 países avaliados na pesquisa de competitividade global de talentos, o Brasil amargou a 81ª posição, muito atrás de países como Suíça e Singapura, primeiro e segundo colocados.

Veja a matéria completa em: https://blog.solides.com.br/empreendedorismo-no-brasil/

Faturamento do setor atacadista e distribuidor tem alta de 1,35% em 2018 apontando um crescimento de 1% em um ano desafiador.

O setor atacadista e distribuidor superou meta de crescimento estabelecida para 2018, que era atingir 1% de alta no faturamento. […]

Read More